Koh Lanta | Koh Rok

Random holiday frames…

Koh Lanta is one of the Islands that I’ve been looking for to go since I got in Thailand. Koh Rok was the paradise island chosen to start the new year in a special way… with nature, love and  lot of diving…Not much to say here…Go to this both places and check! Simple like that.

I just hate myself for not having a waterproof case for my camera to show how great was the free diving in Koh Rok.

Enquadres aleatórios de férias…

Koh Lanta é uma das ilhas que sempre tive vontade de visitar desde que cheguei na Tailândia. Koh Rok  foi o ilha paradisíaca escolhida para iniciar o ano de uma forma especial… com natureza, amor e muito mergulho…Sem muito mais a dizer aqui…Vá aos dois lugares e veja! Simples assim.

Só me odeio por não ter uma caixa estanque pra minha camera, pra poder mostrar o quão incrível foram os mergulhos livres em Koh Rok.

Koh_Lanta_Koh_Rock-6.jpg
KOH LANTA

Koh_Lanta_Koh_Rock-9.jpg

Koh_Lanta_Koh_Rock-10.jpg
FISH TRAP
Koh_Lanta_Koh_Rock-12.jpg
KOH LANTA
Koh_Lanta_Koh_Rock-13.jpg
KOH LANTA
Koh_Lanta_Koh_Rock-14.jpg
KOH LANTA
Koh_Lanta_Koh_Rock-18.jpg
KOH LANTA

 

Koh_Lanta_Koh_Rock-29.jpg
KOH ROK
Koh_Lanta_Koh_Rock-30.jpg
KOH ROK
Koh_Lanta_Koh_Rock-33.jpg
KOH ROK | HERMIT CRAB
Koh_Lanta_Koh_Rock-63.jpg
KOH ROK | HOME SUNRISE VIEW
Koh_Lanta_Koh_Rock-71.jpg
KOH ROK
Koh_Lanta_Koh_Rock-72.jpg
KOH ROK | MORNING LOVE
Koh_Lanta_Koh_Rock-78.jpg
KOH ROK | MORNING LOVE
Koh_Lanta_Koh_Rock-85.jpg
KOH ROK  | MONITOR LIZARD

STREET FOOD FUNERAL

(Leia em português)

With the announcement made by the government in the begging of this year, putting in risk the existence of this enormous presence of food stalls around the streets of Bangkok, the subject became a big topic of discussions from medias to bar tables.

This photo series I present here, emerged with the importance of street food in Thai society, while the questions is still floating around: Will street food really be banned from Bangkok? Apparently the answer is yes, but personally I still don’t see how.

In September I had the chance of be part of a special book edition “Street Food Funeral”, coordinated by the Designer Mint Jarukittikun and Chef Prin Polsuk, presented together with a pop-up by Chef Prin and his team at the Bangkok Art Book Fair. The book, with many collaborators, is a celebration of street food life, traveling through the history of street food, recipes and quotes from representative fans os this democratical and vibrant way of serving and consuming food.

ST-FOOD-19.jpgST-FOOD-20.jpgST-FOOD-29.jpgST-FOOD-30.jpgST-FOOD-31.jpgST-FOOD-32.jpgST-FOOD-33.jpgST-FOOD-34.jpgST-FOOD-43.jpgST-FOOD-44.jpgST-FOOD-50.jpgST-FOOD-42.jpgST-FOOD-38.jpgST-FOOD-37.jpgST-FOOD-35.jpg


FUNERAL DA COMIDA DE RUA

Com o anuncio feito pelo governo no início desse ano, colocando em risco a enorme presença das barracas de comida pelas ruas de Bangkok, o assunto se tornou uma grande discussão desde grandes mídias à mesas de bar.

As fotos que apresento aqui, surgiram com a importância da “Comida de Rua” na sociedade tailandesa, enquanto a questão continua pairando: As comidas de rua serão mesmo banidas de Bangkok? Aparentemente a resposta é sim, mas pessoalmente, não vejo como.

Em Setembro tive a oportunidade de participar de uma edição especial do livro “Funeral da comida de rua”, coordenado pela Dsigner Mint Jarukittikum e o Chef Prin Polsuk, apresentado junto a um pop-up do Chef Prin e sua equipe na Bangkok Art Book Fair. O livro, com muitos colaboradores, é uma celebração da vida da comida de rua, viajando pela história, receitas e comentários de representativos fãs dessa democrática e vibrante maneira de servir e consumir alimentos.

The 8 years late photography.

(Leia em português)

Creative professionals are known for almost never finishing a project on time. Always something new and unexpected happens during the process… at least when you put yourself out there to make your best. Is a constant learning process. Recently I finished a photography that has been in my mind for over 8 years. Exactly 9 years a go, I was making my first move out of Brazil, my first time inside an airplane, destination: Galway, Ireland. I was 21 years old and had just dropped out the Architecture University. Through a great family friend, I got into a volunteering social work program. Would live a year on the green Island with a mission to learn english and anything else possible. What I learned was bigger than I expected, from there I should keep moving.

But from that entire year of great experiences, lot of it registered by a weird mini-dvd camera, one thought always kept knocking on my head, specially after going through the cinematography school. This scenery where the river approach the sea, the swans and other birds are hanging around, while the colored houses on the back ground give a certain contrast over the grey day. Anyway…the real beauty of those colors and the new movements add to the scene, are shown of when the sun comes out, on it’s best autumn style.

Recently, 8 years after I left Ireland, with some new perception over photography, I got the chance to go back, with a kind of lucky charm.  In the very first day, we arrived and one of my greatest friends was there welcoming us. He took us straight to Salthill, a quite melancholic beach somehow. On our way there, we crossed the river and faced, around 5:30pm, The Long Walk. Beautiful blue sky (rare for Ireland, I guess you know) and frontal lightning, with great feeling flowing. Is nice to go back, as much as it is to go further.

The Long Walk | “The 8 years late Photography”GALWAY-low-2

SalthillGALWAY-BLOG-1

O’Connors PubGALWAY-BLOG-2

Coolough Rd.GALWAY-BLOG-3

DonkeyGALWAY-BLOG-6

Menlo CastleGALWAY-BLOG-4

Menlo CastleGALWAY-BLOG-5

Inis Mór |Aran IslandGALWAY-BLOG-8

Megalithic Barn | Inis Mór |Aran IslandGALWAY-BLOG-9

Dún Eochla| Inis Mór |Aran IslandGALWAY-BLOG-7.jpg

Clifs | Inis Mór |Aran IslandGALWAY-BLOG-10

Inis Mór |Aran IslandGALWAY-BLOG-12

A fotografia com 8 anos de atraso.

Profissionais diretamente ligados a criatividade, são conhecidos por quase nunca terminar um projeto a tempo. Sempre algo novo e inesperado acontece durante o processo…ao menos se você se propõe a fazer o seu melhor. É um aprendizado constante. Recentemente terminei uma foto que tenho na minha cabeça há mais de 8 anos. Exatamente 9 anos atrás, fiz meu primeiro movimento pra fora do Brasil. Minha primeira vez em um avião, destino: Galway, Irlanda. Eu tinha 21 anos e tinha recentemente trancado a universidade de Arquitetura. Através de um grande amigo da família, consegui entrar em um programa de voluntariado em serviços sociais. Viveria um ano na Ilha verde, com a missão de aprender inglês e tudo que fosse possível.

O que aprendi foi maior do que o esperado, daí em diante eu deveria seguir em movimento.

Mas de todo aquele ano de grandes experiências, muito disso registrado em uma camera  mini-DVD, um pensamento sempre martelava a cabeça, especialmente depois da escola de cinematografia. Esse cenário do rio se aproximando ao mar, os cisnes e outros pássaros por ali, enquanto o colorido das casinhas ao fundo davam um certo contraste aos dias cinzas. Ainda assim…a real beleza daquelas cores e os novos momentos adicionados a cena, são evidenciados quando sai o sol, no seu melhor estilo de outono.

Recentemente, 8 anos após ter saído da Irlanda, e com algumas percepções diferente sobre fotografia, tive a chance de voltar, com uma espécie de amuleto da sorte. Logo no primeiro dia, quando chegamos já havia um dos meus grandes amigos a espera. Ele nos levou a Salt Hill, uma praia um pouco melancólica de alguma forma. Pelo caminho cruzamos o rio e paramos, por volta das 17:30, frente à “The Long Walk”. Lindo céu azul (Raro para Irlanda, talvez vocês saibam) e uma iluminação frontal, com grande sentimentos fluindo. É bom voltar, tanto quanto seguir adiante.

(Veja as fotos acima)

 

KL FRAMES

This video was shot in a 3 days trip to Kuala Lumpur, Malaysia. The architecture is definitely one of the high lights from this city, but during my walks looking for shots, I could never get the feeling of a organic and integrated space. So that define the montage concept… random frames apart.

Enquadres KL.

Esse video foi realizado em uma viagem de 3 dias a Kuala Lumpur, Malásia. A arquitetura é definitivamente um dos destaques da cidade, mas durante minhas caminhadas buscando imagens, nunca pude sentir como um espaço orgânico e integrado. Então assim se define o conceito de montagem… enquadres aleatórios isolados.

Thaan Charity at 80/20

(Leia em português)

It’s great to be part of great things… “Thaan Charity”, hold by the restaurant “80/20″and “Most gallery”, was definitely an event to represent this thought! Seen all this people working together and building friendships, following just the idea of making something special to help others, really makes you feel good. So much respect for all the chefs  involved, the artists and all the production crew for trowing this amazing event that captures the soul of Talat Noi, the soul of Thailand, between food and art. Big thanks for all 80/20 crew, thank’s for another great adventures!

Check the event photos here!

“Thaan”, jantar /exposição beneficente.

É incrível fazer parte de coisas incríveis… “Thaan Carity”, realizado no restaurante 80/20 e Galeria Most,  foi um evento que representa esse pensamento com certeza. Ver todas essas pessoas trabalhando juntas e construindo amizade, seguindo apenas a ideia de fazer algo especial para ajudar outras pessoas, realmente trás satisfação. Muito respeito a todos chefs envolvidos, aos artistas e toda equipe de produção, por realizarem esse evento incrível capturando a alma de Talat Noi, a alma da Tailândia , entre comida e arte. Um grande agradecimento a toda equipe do 80/20, valeu por outra grande aventura!

Confira as fotos do evento aqui!

Nahm: Kitchen & Team

(Leia em português)

(About this series)

Nahm-18.jpg

As a photographer I always try to be as close as possible from the subjects I’m usually pointing the camera at. Before I start photographing food related stories, I worked as a cook with my great friend, João Carlos Scalzo, who showed me how interesting this world is. That was the start for the curiosity that keeps pushing me through find stories around agriculture, markets, traditional communities, fishermen, restaurants, cooks and chefs. Recently I had a great opportunity to understand more about Thai food, since it’s taken big part of my focus for almost a year now. By the open mind set of another friend, chef Prin Polsuk, I had the opportunity to stage at Nahm for a couple weeks. One of the 50 best restaurants in the world, created by the Australian chef David Thompson, suthor of some of the main books about Thai food.

Nahm-164.jpgNahm-136.jpg

My goal was to learn more about the local ingredients, technics, flavors, to understand the process and the importance of each element. What I found went further, a kitchen that honors two aspects of Thai culture in general: Smiles and love for food. Usually smiles are reserved for street cooks in some minds, not for high ending restaurants, that normally have the fame for been a hard, stressful and hostile ambient. I guess this is another concept that is changed by the Nahm team.

Nahm-128.jpgPrin as the Head Chef of this celebrated restaurant, told me… “You have to feel goodto cook good food, so we have to do the best to keep a good ambiance while working hard.” Something like that (haha). The stage program is something that happens constantly inside Nahm kitchen, the sympathy and welcoming response from the entire team to help us understand the beautiful work of preservation of Thai traditional cooking and dinning they are doing, is amazing. The freshly pounded pastes, before serving, the hit control from woks and grills, the balance of all the layers of flavors and textures in between the diversity of spices and processes…every section has it’s uniqueness and connections. It’s a impressive team work.

Here I want to thank you everybody from the team, specially to the chef Prin Polsuk for this great experience. Quoting another  short conversation at the service : “Keep it up and high! Yes Chef!”


“Nahm Kitchen & Team”

Nahm-157.jpg

Nahm-31.jpgNahm-36.jpgNahm-47.jpgNahm-41.jpgNahm-38.jpgNahm-42.jpgNahm-46.jpgNahm-49.jpgNahm-52.jpgNahm-55.jpgNahm-54.jpgNahm-61.jpgNahm-62.jpgNahm-1.jpgNahm-4.jpgNahm-10.jpgNahm-2.jpgNahm-7.jpgNahm-9.jpgNahm-15.jpgNahm-64.jpgNahm-65.jpgNahm-66.jpgNahm-69.jpgNahm-70.jpgNahm-74.jpgNahm-72.jpgNahm-71.jpgNahm-84.jpgNahm-82.jpgNahm-86.jpgNahm-89.jpgNahm-98.jpgNahm-92.jpgNahm-95.jpgNahm-94.jpgNahm-175.jpgNahm-92.jpgNahm-95.jpg

Nahm-100.jpg

Nahm-102.jpgNahm-103.jpg

Nahm-107.jpg

Nahm-110.jpg

Nahm-115.jpg

Nahm-148.jpg

Nahm-139.jpgNahm-170.jpgNahm-177.jpgNahm-134.jpg

Nahm-178.jpgNahm-28.jpg

Nahm: A cozinha e o time.

(fotos da série)
(Sobre a série)

Nahm-18.jpg

Como fotógrafo sempre tento me aproximar o máximo possível aos assuntos a que me atrevo apontar a câmera. Antes de começar a fotografar temas relacionados a comida, trabalhei como cozinheiro através de um grande amigo, João Carlos Scalzo, que me mostrou como esse universo é interessante. Aquele foi o início de uma curiosidade que continua a impulsionar através dessa busca por histórias ao redor da agricultura, de mercados, restaurantes, cozinheiros ,chefs e culturas. Recentemente tive uma ótima oportunidade para entender mais sobre a gastronomia tailandesa, já que o assunto tem tomado meu foco a quase um ano. Foi através da mente aberta de outro amigo, chef Prin Polsuk, que tive a oportunidade de estagiar no Nahm, um dos 50 melhores restaurantes do mundo, criado pelo chef australiano David Thompson, também author de algumas das principais publicações sobre gastronomia na Tailândia.

Nahm-164.jpgNahm-136.jpg

Meu objetivo era aprender mais sobre ingredientes locais, técnicas, sabores, para entender o processo e a importância de cada elemento. O que encontrei foi além, uma cozinha que honra dois aspectos gerais da cultura tailandesa: Sorrisos e amor pela comida. É comum reservar o sorrisos aos cozinheiros de rua em alguns cenários imaginários, não aos restaurantes de alta gastronomia, que normalmente levam a fama por serem ambientes difíceis, estressantes e hostis. Talvez esse seja mais um conceito mudado pelo time do Nahm.

Nahm-128.jpg

Prin como Head Chef desse celebrado restaurante, me disse… “Você deve se sentir bem para cozinhar uma boa comida. Então devemos fazer o melhor para manter um bom ambiente enquanto trabalhamos duro.” Algo assim (haha). O programa de estágio é frequente dentro da cozinha do Nahm, a simpatia e receptividade com que todo o time em nos ajudar a entender o lindo trabalho de preservação, de como se cozinha e compartilha a refeição na cultura tailandesa, é incrível. Pastas frescas, piladas antes de servir, o controle do calor das wok e grills, o encontro das camadas de sabor e texturas entre os diversos temperos e processos, preservam uma unicidade e ao mesmo tempo a conexão entre todas as estações de preparo. É um trabalho de equipe impressionante.

Aqui eu quero agradecer a todos do time, especialmente ao chef Prin Polsuk por essa incrível experiência. Citando uma outra conversa com ele: “Keep it up and high! Yes Chef! (Mantenha pra cima e alto! Sim Chef!)“.(fotos da série)

A day in Macao

Macao is a crazy place. The asian Las Vegas is a mix between the portuguese influence from the colonial times, with it’s chinese roots, plus everything else money can buy! From fake Venice to portuguese stones on the side walks, here is a quick view of a day trip to Macao.

Um dia em Macau.

Macau é um lugar doido com certeza. A Las Vegas asiática é uma mistura da influência portuguesa da época colonial, com a raiz chinesa, mais todo o resto que o dinheiro pode comprar! Desde a Veneza de mentira às calças de pedra portuguesa, aqui esta uma visão rápida de uma viagem de um dia à Macau.

MACAO-1.jpg

MACAO-7.jpg

MACAO-8.jpg

MACAO-13.jpg

MACAO-14.jpg

MACAO-17.jpg

MACAO-18.jpg

MACAO-23.jpg

MACAO-26.jpg

MACAO-28.jpg

MACAO-27.jpg

 

Koh Libong Low Tides

(Leia em português)

Koh Libong is one of the few Island in Thailand where fishing remains as one of the main incomes for the community, among rubber trees cultive. Of course tourism is already part of their lives, but way less than other popular Islands. Also tourism just take place over the dry season, since the water is quite dark around the rain season.

Recently I started a film project about this welcoming muslin community, my first contact was with a group of Thai Chefs  who helped me to meet some people around. After our quick group visit, I went back by myself for another week, with time to observe and to try understand their rhythm of life. On the second day walking around, I saw many villagers heading to the beach around 4 pm. They were collecting all different kinds of shellfish. Women, men and kids participate in this daily ritual. The people around saw my curiosity and spontaneously started to call me around when they found some of the most interesting local products, like sea cucumber, sea flower and baby lobsters. They taught me as they were teaching their kinds on those walks, with out the need of many words, but demanding attention, patience and observation.

This series put together daily scenes captured around the dry tides in Koh Libong.


Maré baixa em Koh Libong

Koh Libong é uma das poucas ilhas que ainda possuem a pesca como uma das principais fontes de renda da comunidade, ao lado do cultivo das seringueiras.  É claro que o turismo já é parte das suas vidas, porém muito menos comparando a outras ilhas, populares entre turistas na Tailândia. Também porque o turismo só toma o espaço durante a época da seca, pois durante as chuvas o mar é um pouco escuro, diferente ao que se espera das praias tailandesas.

Recentemente comecei o projeto de um novo filme, com essa receptiva comunidade muçulmana. Meu primeiro contato foi através de um grupo de chefs tailandeses que me ajudaram a conhecer alguns locais. Depois da rápida visita com o grupo regressei a ilha por mais uma semana, dessa vez sozinho e com tempo para observar e tentar entender o ritmo de vida local. No meu segundo dia caminhando pela vila de pescadores onde me hospedei na varanda de uma das casas, observei vários moradores indo para praia, caminhando a extensa faixa de areia deixada pela maré baixa, em direção ao mar, por volta das 16h. Eles coletavam diferentes tipos de mariscos e crustáceos.  Mulheres, homens e crianças participam desse ritual diário. As pessoas por ali, viram minha curiosidade e espontaneamente começaram a me chamar pra perto quando encontravam alguns dos “produtos” locais mais interessantes, como pepino do mar, flor do mar e filhotes de lagosta. Me ensinaram como ensinam aos seus filhos durante essas caminhadas, sem a necessidade de muitas palavras, mas demandando atenção, paciência e observação.

Esta série reune cenas cotidianas durante as marés baixas de Koh Libong

Silom Sidewalks

Silom Rd. is the reference for one of the main comercial centres in Bangkok. The BTS (Sky train) passing right above it, make the light around 4 pm and 6 pm, just impressive in the way that it hits the side walks, passing through the narrow space between buildings and the BTS line. A couple months a go, I spend a few of hours checking out how that light behave. The result is here and as always, some non expected lights presented them selfs too.

As Calçadas da Silom

A Av. Silom é a referência para um dos principais centros comerciais de Bangkok. O BTS (Trem suspenso) passa perfeitamente sobre a rua, fazendo com que a luz entre às 16h e às 18h, seja simplesmente impressionante na forma com que atinge as calçadas, passando pelo estreito espaço entre os prédios e a linha do BTS. Alguns meses atrás, passei algumas horas observando como a luz se comporta. O resultado tá aqui e como sempre, algumas luzes não esperadas se apresentaram também.

Cinematography | Reel 2017

Here I share images of some work done around Brazil and Thailand, from short films (fiction/documentary) to gastronomy events, passing through arts and skateboarding. A little bit of the diverse universe that is interesting and provocative to me. The camera, the vision, the story telling, are the mechanisms allowing me to circulate through this different worlds that coexist, even though apparently very distante on a first overview. Hope you enjoy…see you on the next project!

Reel de cinematografia 2017

Aqui compartilho algumas imagens de trabalhos realizados do Brasil à Tailândia, de curtas (Ficção/documentário) a eventos de gastronomia, passando pelas artes e pelo skate. Um pouco pouco do universo diverso que me interessa e provoca. A camera, a visão, a narrativa, são os mecanismos que me permitem circular nesses diferentes mundos que coexistem, mesmo que pareçam muito distante em um primeiro olhar. Espero que vocês gostem…nos vemos no projeto!